Peru | Viagem e Roteiro Completo incluindo Bolívia

Viagem que fiz pelas principais cidades e atrações do Peru, vendo o que existe de mais interessante naquele pais. Nesta viagem e roteiro, incluí a capital Lima (ponto de entrada no Peru), Cusco e Machu Picchu, além do Lago Titicaca e cidades à sua margem. E incluí também La Paz, pois algumas atrações às margens do Lago Titicaca estão muito próximas da fronteira com a Bolívia. E portanto, chegar lá e não conhecer La Paz e os sítios arqueológicos próximos como Tihuanaku e Puma Punku não faria sentido.

Porque um roteiro e viagem completa?


Este roteiro é para os fortes e viajantes determinados! :) Para quem quer conhecer praticamente tudo de uma só vez. Eu fiz tudo isto em 23 dias e posso dizer que curti cada minuto e visitei tudo que gostaria de ver. O que cansa mais é a altitude e não as mudanças de cidades. Mas você pode dividir em partes esta viagem ou considerar mais dias em cada local. Depende do seu tempo, orçamento e planejamento :) Enfim, é bem custoso e de certo modo cansativo chegar à partes altas do Peru e Bolívia, e talvez você ou eu, não vamos fazer isto mais de uma vez na vida, devido principalmente aos problemas de altitude. Então, para mim, o melhor foi fazer tudo de uma vez só. Se você pensar somente em ir a Cusco e Machu Picchu, e sentir a altitude, pode ficar desanimado para voltar ao local algum dia para ver as demais atrações. Eu senti um pouco a altitude, mas valeu cada minuto!

Cidades do Roteiro

Roteiro Perú-Bolívia

Lima, a bela capital do Peru


Muitas pessoas que vão ao Perú estão com apenas uma coisa na cabeça, Machu Picchu. Sim, as ruínas de Machu Picchu são um dos principais destinos turísticos do mundo, mas muitas pessoas não sabem que em Lima existe inúmeras atrações. E portanto, dentro da minha visão de viajante, seria um desperdício passar por Lima apenas através de uma conexão para mudar de avião e seguir para Cusco. Então, eu fiquei primeiramente, 2 noites em Lima explorando parte das atrações da progressista capital do Peru, que mescla um belíssimo e bem preservado Centro histórico com uma orla voltada para o Oceano Pacífico e modernos bairros como Miraflores, San Isidro e o boêmio Barranco. Mas veja, no total de minha viagem, fiquei 6 noites em Lima, como descrevo mais abaixo.
Orla de Lima, em frente ao bairro Miraflores


Nazca e Ica


Um dos maiores ícones do Perú, e também um dos maiores mistérios da humanidade, são as chamadas linhas de Nasca, descritas no famoso livro "Eram os Deuses Astronautas?" do escritor suíço Erik Van Danniken. Seja o que for aquelas misteriosas linhas, eu fiz questão ir lá ver. Em Nazca existem também mais atrações, como ruínas Incas e aquedutos subterrâneos de uma antiga civilização chamada "Povo de Nazca". Existem também um sítio arqueológico com piramides de cerca de 2 mil anos do mesmo Povo de Nazca.
Bom, fui de ônibus de Lima para Nazca, viajando durante o dia pois queria ver os cenários da costa daquele pais. E descrevo esta viagem ou pequena jornada em outro post.
Eu e minha esposa ficamos duas noites em Nazca, tempo suficiente para voar sobre as linhas e conhecer os principais locais. Tenho também um post completo sobre Nazca.
Linhas de Nasca podem ser vistas de Mirantes e de voos fretados
Por que ir a Nazca antes de Cusco-Machu Picchu? Porque não estão em grande altitude, então dividi a viagem em parte alta e parte baixa, para evitar problemas.
Na volta de Nazca, pegamos um outro ônibus e demos uma parada em Ica, uma cidade cuja maior atração é um lagoa no meio de dunas de areia. Uma espécie de oásis no deserto. Visitamos o centro da cidade também, e depois pegamos outro ônibus e voltamos a Lima.
Nesta volta, ficamos mais duas noites em Lima, e conhecemos outras atrações da cidade.

Cusco


Depois de voltar a Lima e ficar lá mais duas noites, seguimos de avião para Cusco, que fica a uns 3400 metros de altitude. Esta cidade é a antiga capital do extinto Império Inca, tendo se tornado depois a mais importante cidade do altiplano ou parte alta do Peru durante o domínio espanhol. Hoje é também uma cidade importante.
Muitos acham que Cusco é apenas um caminho de passagem e obrigatório para ir à Machu Picchu. Errado pensar isto. Cusco tem um belíssimo e bem preservado centro histórico do período colonial, e inúmeras ruínas e sítios arqueológicos Incas ao seu redor. E também ruínas de uma civilização pré-inca.
Além de conhecer Cusco, deve-se fazer três tours, uma chamada City Tour mas que na verdade mostra as principais ruínas Incas ao redor de Cusco. A segunda tour mais importante é chamada de Vale Sagrado dos Incas, que vai de Cusco até Ollantaytambo onde se vê não apenas ruínas incríveis e super interessantes mas também belas paisagens. E a terceira tour, menos conhecida é a Vale Sul, que também explora ruínas Incas, um museu com esqueleto humanoide e uma capela interessantíssima da era colonial.
Cusco | Plaza de Armas

Ollantaytambo


Esta antiga cidade Inca é o ultimo ponto de parada da tour Vale Sagrado dos Incas antes de pegar o caminho de volta para Cusco. Ollantaytambo é uma pequena cidade, com pequenas vielas e casas de pedras, muitas reminiscentes da era Inca. Então a dica é programar sua viagem para pousar um dia em Ollantaytambo. Sim, muitos, assim como eu e minha esposa fomos até Ollantaytambo pela tour Vale Sagrado e lá ficamos, para tomar o trem para Machu Picchu no dia seguinte. Ficamos o resto da tarde lá, e de noite fomos jantar na praça principal, onde existem muitos restaurantes e boa comida.
Ollantaytambo | Ruas Incas

Pueblo de Machu Picchu e ruinas e sítio arqueológico de Machu Picchu


Então, no dia seguinte, em Ollantaytambo pegamos o trem para o Pueblo de Machu Picchu, o ponto mais próximo das ruínas da cidade de Machu Picchu, de manhã, bem cedinho. A viagem é linda, com belas e estonteantes paisagens, inúmeros rochedos, corredeiras, muito verde. Fomos pela Peru Rail, pertencente ao grupo de hotéis e jornadas de luxo chamado Belmont, antigo Orient Express.
Antes de sair do Brasil ou seja lá de onde você vem, você já deverá ter reservado o trem para o Pueblo Machu Picchu, um pequeno e animado vilarejo, que é o local mais próximo de Machu Picchu.
Não sei exatamente porque, mas os brasileiros chamam o Pueblo de Machu Picchu de "Aguas Calientes", mas no Perú não vi nenhuma placa e nem alguém se referir ao local por outro nome, senão Pueblo Machu Pucchu. Não é preciso pernoitar neste local ou vilarejo, apenas se quiser.
Trem chegando à Estação de Pueblo Machu Picchu
 Após a chegada ao Pueblo de Machu Picchu, é precisa pegar um micro ônibus que te leva às ruínas de  Cidade de Machu Picchu propriamente dita. A viagem de micro ônibus leva uns 20 a 30 minutos por uma estrada sinuosa e íngreme, cercada de selva e penhascos. Enfim, chega-se lá, visita-se o grandioso sítio arqueológico passeando por todos os lados. Eu e minhas esposa contratamos um guia para nos explicar. Existem muitos guias no local que se oferecem.
Por volta de 15:30, pegamos o micro-ônibus de volta para o Pueblo de Machu Picchu que alguns insistem em chamar de "Águas Calientes". E de lá, do Pueblo, no fim da tarde, pegamos o trem para Poroy, ponto mais próximo de Cusco. De Poroy a Cusco usamos táxi, levando cerca de 20 minutos. Não é preciso dizer que tínhamos tudo agendado e reservado.
Machu Picchu vista de parte alta

 Cusco - La Paz de avião


Voltamos de Machu Picchu, chegamos em Cusco de noite. Pousamos lá, ficamos mais um dia e fizemos o tour Vale Sul. Dormimos novamente em Cusco e no dia seguinte pegamos bem cedo um voo para La Paz. Novamente, não é preciso dizer que estava tudo previamente reservado e agendado. Fizemos tudo pela internet, quando ainda estávamos no Brasil.
Porque ir direto para La Paz antes de passar pelo Lago Titicaca? Porque a passagem de Cusco para La Paz é muito mais barata que de La Paz para Cusco. E comprar o trajeto ida e volta não faria sentido no nosso caso. Queríamos fazer o trajeto por terra somente uma vez, passando por Copacabana na Bolívia e Puno no Peru, ambas as cidades às margens do Titicaca, o lago navegável mais alto do mundo.
Lago Titicaca e ilhas visto do avião | Voo Cusco La Paz

La Paz | Tiahuanaco & Puma Punku


Chegar à fronteira do Lago Titicaca e não conhecer o lado Boliviano seria um desperdício da viagem. Considere que todos aqueles locais estão a grande altitude e exigem também alguma a aclimatação à altitude. Estar naquela altitude é uma experiência de certo modo sofrível para inúmeras pessoas, pois cansa-se muito, demasiadamente e às vezes sentimos até mal estar. Então, foi minha opção e de minha esposa planejar uma viagem para ver o melhor da parte alta do Peru e Bolívia de uma só vez, ou seja, o trecho compreendido entre Cusco e La Paz.
Ônibus coloridos são típicos de La Paz | Rua no Centro Histórico
La Paz é uma cidade surpreendente, existe um certo caos no transito, mas a La Paz que vimos em 2016 é de um modo geral é uma cidade progressista, com infraestrutura turística e muitos atrativos.
Moderna estacão de teleférico
A cidade possui uma moderna rede de teleféricos que ainda esta em expansão, e que ligam diferentes partes da cidade, com cabines de passageiros que deslizam sobre os cabos a grande altura, muitas vezes a mais de 70 metros de altura do solo. Enquanto algumas cidade procuram no metro subterrâneo uma solução de transporte, os urbanistas bolivianos encontraram outra solução para conectar os diferentes pontos da cidade.
O Vale da Lua em La Paz
O Vale da Lua, um parque onde se concentram diferentes formações montanhosas e pontiagudas, situa-se na parte sul de La Paz, um setor super moderno e em franco progresso.
Bares e lojas interessantes no Centro Histórico
Ficamos lá 4 noites. Em um dos dias, fizemos uma excursão aos sítios arquelógicos de Tihuanaco (ou Twanaku) e Puma Punku, bastante interessantes. Tihuanaco é considerado o berço da arquitetura e cultura Inca. Na verdade, Tihuanaco era uma cultura e civilização pré-Inca, mas que foi absorvida pelos Incas.

Caminho de Volta pelo Altiplano
La Paz -> Copacabana -> Puno -> Cusco


Neste caminho de volta por terra, fizemos o trajeto do ônibus. A viagem entre La Paz e Copacabana, uma pequena cidade boliviana às margens do Lago Titicaca apresenta belas surpresas quando começamos a ver o Lago Titicaca.
Alpacas ou Llamas | Barco de junco | Lago Titicaca
 Acima, cenas do Lago, visto de um porto, antes de fazer a travessia do lago por um ponto mais estreito para chegar a Copacabana.
Ônibus é levado em balsa na travessia do Titicaca
Enquanto os ônibus, carros e vans são levados em balsa, os viajantes descem, e fazem a travessia em um pequeno barco. Esta foto foi tirada do local de espera do barco.

Copacabana, na Bolívia



Na Copacabana boliviana, uma interessante cidadezinha com vistas para o lago e passeios de barco, ficamos somente até o anoitecer, quando então pegamos um ônibus para Puno no Peru. Alguns viajantes que passam por Copacabana pegam um barco para visitar a Isla del Sol, famosa por causa de uma lenda Inca, por suas paisagens e algumas ruínas. Entretanto, para nós seria um passeio demorado e dispensável, já que teríamos que pernoitar pelo menos uma noite lá na ilha, do contrário ficaria impraticável. Já havíamos visto inúmeras ruínas Incas em Cusco e Machu Picchu, e ver o Lago Ticaca através da viagem de ônibus, ter visto as praias da cidade à beira do lago e vistas do lago da janela de um hotel que hospedamos somente por uma tarde, já bastava. Tudo muito interessante, uma cidade simples, onde não se gasta muito, podendo ver tudo a pé.
Lago Titicaca e praia em Copacabana | Bolivia

Puno


De noite seguimos para Puno, uma cidade que fica do lado do Peru, também às margens do Lago Titicaca. Já de noite passamos pela aduana ou posto de fiscalização do lado Boliviano e depois atravessamos para o lado Peruano e obtivemos nosso segundo visto de entrada no pais.
Puno é uma cidade interessante, e assim como Copacabana na Bolívia, são cidades onde não precisamos gastar muito.
Casa del Corregedor, artesanato, bar e restaurante | Puno
Puno tem boa infraestrutura turística, bons hotéis e um centro histórico charmoso. Dá gosto passar por lá e ficamos 2 noites. Além de passear pela cidade e conhecer locais interessantes, fizemos o passeio às Ilhas Flutuantes onde comunidades erguem suas moradas sobre ilhas de junco.
Puno | Uros | Casas e ilhas flutuantes feitas de junco

Viagem pelo Altiplano


Para voltar a Cusco, preferimos viajar de dia, para ver a paisagem do altiplano peruano. Fizemos o trajeto de ônibus, com poltronas confortáveis e ar condicionado. Era um ônibus que fazia o trajeto La Paz - Cusco, que pegamos na estação de Puno, comprando o bilhete quando chegamos na estação.
A viagem é um pouco longa, dura umas 7 horas e chegamos à noite em Cusco. A paisagem é interessante, uma continua imensidão plana cercada de algumas montanhas ao longe. Ao lado da estrada, sempre vemos a linha de trem, utilizada pela Peru Rail, a mesma empresa que também oferece o transporte de trem entre Poroy (20 minutos de Cusco) e cidade de Machu Picchu passando por Ollantaytambo. A viagem pela Peru Rail é bem cara e vendida como trajeto panorâmico. Embora a paisagem seja interessante, devido as longas horas, alguns momentos podem ser enfadonhos, mas não me arrependo. Pior se tivesse me arrependido de não fazer este trajeto.
Altiplano do Peru | Viagem entre Puno e Cusco

Cusco, o Retorno


Chegamos a Cusco de noite, fomos jantar e dar um passeio rápido pela bela Plaza de Armas. No dia seguinte passeamos pela cidade observando a bela arquitetura colonial do centro histórico, visitamos alguns museus, e passamos a segunda noite em Cusco após nosso regresso.
Cusco | Plaza de Armas e casario colonial
Me diz se não vale a penas retornar a Cusco? Cidade interessante, movimentada, rico e preservado casario colonial, muitos locais bacanas para visitar, bares, restaurantes super interessantes, etc :)

Lima o Retorno e Volta ao Brasil


Dia seguinte cedo, pegamos nosso voo de volta para Lima, onde passaríamos mais duas noites, para relaxar e sentir o imenso prazer estar novamente em baixa altitude! Se você já esteve, ou for a Cusco ou La Paz, vai entender o que falo!
Lima é uma cidade cheia de atrações. No total passamos 6 noites naquela cidade, e se tivéssemos mais tempo, teríamos ainda mais coisas a fazer. Não fizemos um passeio de barco que leva a algumas ilhas próximas, pois nos dias em que voltamos a Lima havia ameaça de terremoto, tendo havido alguns pequenos tremores. Então não quisemos nos arriscar a experimentar um tisuname no mar :)
Mas enfim, tudo correu muito bem, e a viagem foi bacana e divertida.
Plaza de Armas | Centro Histórico de Lima


Existe problema com a altitude?


Lima e Nazca ficam no nível do mar ou um pouquinho acima. Você não sente nada. Tudo tranquilo.
Mas... Cusco, Puno, Copacabana boliviana e La Paz é outra história! Andar por lá é cansativo como trabalhar em uma pedreira! Sim, para começar é necessário um dia de adaptação. O ideal é ficar em descanso no dia que chegar a Cusco. E para algumas pessoas a adaptação nunca é completa. Por causa da altitude sente-se muito mais cansaço ao subir morros e escadas. Cusco tem ladeiras, mas poucas comparadas com La Paz. Enfim, é preciso ser comedido, e tours em Cusco é uma necessidade. Impossível visitar as ruínas ao redor da cidade à pé, até mesmo porque as distâncias são grandes. Em La Paz, é possível andar pelo centro e centro histórico à pé, mas é cansativo. Para ter uma visão ampla da cidade, de todas as partes mais distantes, é preciso fazer uso de táxi para se deslocar para diferentes partes da cidade, assim como de uma city tour.
Entretanto, segundo informam, após o oitavo dia naquela altitude (entre 3400 e 4000 metros), a pessoa se adapta. Alguns já começam até a praticar esportes, como biking e escalada, através de tours oferecidas em La Paz. Mas não se anime muito, creio que isto se aplica aos bem mais jovens, ou pessoas que já estão de certo modo acostumadas a lugares altos. Eu e minha esposa nunca nos adaptamos completamente. Embora a viagem nas partes altas tenha sido linda, foi um alívio quando pousamos em Lima. Tive a sensação de liberdade, vontade até de pular :)


Que dinheiro levar na viagem?



No Peru o dinheiro é o Novo Sol, que vale pouco mais que o Real, entretanto o custo de vida no Peru é bem mais barato que no Brasil. E na Bolívia é o Peso Boliviano que vale bem menos que o Real, umas 3 ou 4 vezes menos. O ideal é levar dólar e trocar pela moeda local de cada pais. Leve também cartões de credito e debito, se não quiser carregar todo o dinheiro por motivo de segurança. Existem caixas eletrônicos por todos o lados, mas lembre-se que existem taxas para sacar e impostos no Brasil. Então se sacar, não fique sacando muito pouco de cada vez, pois a taxa cobrada para cada saque não é irrisória.

E este vai e vem, não poderia ser evitado? Entre a Cruz del Sur e o cruz credo !



Ah sim, você diz as idas e voltas a Lima e Cusco? Vamos por partes.
Para ir a Nazca, era preciso chegar por Lima de avião, cidade esta que eu também queria conhecer. Então, ir a Nazca para mim era um gosto pessoal. Não funciona bate e volta em Nazca, embora alguns juram que foram e voltaram de van no mesmo dia, saindo de madrugada e chegando de noite. Desculpe, mais isto é uma idiotice. Você não terá tempo para nada. Duas noites em Nazca é o mínimo e também o suficiente, até mesmo para sentir vontade de voltar. Então, o melhor é aproveitar a rota razoavelmente cênica de ida de Lima para Nazca para viajar durante o dia em um confortável ônibus da empresa Cruz del Sur. E depois de visitar Nazca, eu optei por fazer um pit stop em Ica, antes de chegar em Lima reduzindo assim o cansaço de uma viagem. De Nazca a Ica, viajamos durante o dia, ficamos parte do dia lá, até a noite. E de noite, viajamos novamente de ônibus, pela mesma Cruz del Sur que usamos na vinda. Enfim, não existia outra saída, exceto se fizesse um trajeto contínuo de ônibus de Nazca para Puno ou Cusco ou sei lá.... não valeria a pena. Horas demais de ônibus, seriam acrescentadas 14 horas de Nazca a Puno ou outras 13 ou 14 entre Nazca - Cusco ! Cruz credo... entre o cruz credo e a viagem  Lima - Nazca - Lima, pela empresa Cruz del Sur, optei pela última opção.
Mas... e na parte alta, não poderia ter sido um trajeto mão única, Cusco a La Paz? Sim poderia ter vindo por terra de Cusco a La Paz, e voltado de avião de La Paz para o Brasil, mas tendo que fazer longas conexões em Lima ou outras capitais e pagar muito mais caro a passagem. Se não existia voo direto para o Brasil, e teria que fazer conexão em Cusco e Lima, então minha estratégia de viagem foi satisfatória para mim. Mais interessante desfrutar de mais duas noites em Lima em bom hotel ao invés de ficar fazendo longas conexões se viesse de La Paz em voo com 2 ou 3 escalas e pagando ainda muito mais caro pela passagem. Ou seja, fui de Cusco a La Paz de avião e fiz o trajeto La Paz - Copacabana - Puno - Cusco por terra, conhecendo o Lago Titicaca, o Altiplano e suas cidades.

Comida Peruana e o Frango Nosso de Cada Dia!


Chegando quase ao fim deste relato da minha viagem, eu não poderia deixar de falar da deliciosa culinária Peruana. Sim, a comida é muito boa com muitos pratos interessantes. Eles lá também usam a "palta" com com sal nas saladas. Por favor, não confunda, palta com pata! Isto foi a primeira coisa que me veio a mente ao ver salada de palta no menu. Pensei que fosse uma salada com pedaço de carne de pata(o). Mas palta é abacate e a salada é muito boa.
A comida lá de um modo geral não é cara. E sempre existe entrada e prato principal, mesmo em restaurantes super populares. A entrada geralmente é alguma salada ou algum caldo.
Em termos de curiosidade, no Peru e Bolívia, pelo menos em La Paz, gostam muito de gelatinas e flãs, que são vendidos em copos ou taças nas ruas ou pequenas vendas ou mercadinhos.
Frango é o principal tipo de carne consumida no Peru e também em La Paz. Lá existe as Pollerias ou local onde se come Pollo ou frango. Alguns locais são requintados e tem inclusive música ao vivo. Eu até que gosto de frango, e chegou um dia que brinquei com minha esposa perto da hora do almoço - "Vamos comer o frango nosso de cada dia?" :)
Um suco interessante que vale a pena tomar é a chicha morada, feito de um milho de cor preta, muito encontrado para vender no Peru.

O que ficou de fora? Paracas, Arequipa, El Misti e Colca Canyon


Próximo à cidade de Ica, existe uma outra cidade chamada Paracas, onde existem as Ilhas Ballestras e reservas ecológicas. Muitos viajantes ou turistas com mais tempo passam por lá. Mas não tínhamos todo o tempo do mundo. Planejamos nossa viagem para durar 3 semanas e 2 dias. Então descartamos Paracas. Bonito certamente é, mas não essencial para nós brasileiros que temos muitas praias aqui. Mas se você tiver tempo, então fica a dica. Se você nunca viu um leão marinho, dizem tem muitos por lá.
Outro local também conhecido é a cidade de Arequipa e o Canyon do Colca.
Mas veja bem, se você nunca viu um grande Canyon, então talvez seja indispensável. Arequipa pelas descrições é interessante. Tem o El Mist nas proximidades, um vulcão extinto ou latente, mas muitas de suas atrações históricas podem se tornar um tanto redundantes se você visitou todo o centro histórico de Lima e Cusco.
Arequipa e Canyon Colca
Uma das atrações do Canyon são os condores que podem ser vistos de um belvedere do Colca Canyon. Mas para chegar ao Canyon você primeiro precisa ir à Arequipa, bem mais ao sul do Peru. Conte 8 ou 9 horas de ônibus ente Nazca e Arequipa! Depois imagine ter que acorda as 4 da manhã para pegar uma van que também vai levar um bom tempo para chegar a um mirante, parar meia hora para ver o canyon e os condors (se aparecerem, pois o movimento de muita gente os assusta) e depois voltar a Arequipa. Enfim, precisaria de muita disposição. Para muitos vale a pena, muita gente vai lá. Enfim depende do seu tempo e do que você já viu ou ainda não viu nesta vida! :) Se você já viu outros canyons, como é o meu caso, acabei descartando. Mas enfim, somente sabemos se perdemos ou ganhamos algo se visitamos de fato.

Comentários